Palmeiras' players celebrate the Copa Libertadores football tournament title after defeating Flamengo in the all-Brazilian final match, at the Centenario stadium in Montevideo, on November 27, 2021. (Photo by Juan Mabromata / AFP)

Abel Ferreira replicou hoje na América do Sul o que Manuel José conseguiu em África e José Mourinho na Europa, com um segundo título continental, ao vencer este sábado (27) o Flamengo (2-1), após prolongamento na final da Taça Libertadores, em Montevideu.

O ex-treinador de Sporting B, Sporting de Braga B, Sporting de Braga e PAOK, de 42 anos, venceu a edição de 2020, que teve a final já em 2021, culpa da covid-19, e somou o segundo título na principal prova de clubes da CONMEBOL.

Abel Ferreira alcançou o que, a nível mundial, só outros dois treinadores lusos conseguiram, Manuel José, campeão africano quatro vezes pelos egípcios do Al-Ahly, e José Mourinho, que ganhou a Liga dos Campeões da UEFA pelo FC Porto e, depois, ao comando dos italianos do Inter de Milão.

Em termos de revalidação do ceptro, o técnico do Palmeiras é o segundo, já que só Manuel José o logrou, com as vitórias em 2005 e 2006.

Na edição de 2020, o ‘verdão’ chegou ao título numa final ‘regional’ com o Santos, que bateu por 1-0, no mítico Maracanã, em 30 de janeiro de 2021, graças a um golo de Breno Lopes, apontados já aos 90+9 minutos.

Palmeiras’ Portuguese coach Abel Ferreira gestures during the Copa Libertadores football tournament all-Brazilian final match against Flamengo, at the Centenario stadium in Montevideo, on November 27, 2021. (Photo by EITAN ABRAMOVICH / AFP)

Abel Ferreira não foi, porém, o único treinador responsável pelo triunfo do conjunto de São Paulo, uma vez que só foi contratado após a fase de grupos, na qual o Palmeiras somou cinco triunfos e um empate, estreando-se nos oitavos de final.

Desta vez, o técnico luso, que também já levou o Palmeiras à conquista de uma Taça do Brasil, comandou a equipa em todo o trajecto, somando oito triunfos, quatro empates e uma derrota, com 29 golos marcados e 10 sofridos, em 13 encontros.

Com o segundo triunfo, Abel entra na ‘galeria’ dos técnicos lusos com mais um título de campeão continental de clubes, apenas ao lado de Manuel José, de 75 anos, e José Mourinho, de 58.

Manuel José de Jesus Silva, nascido em 09 de abril de 1946, coleccionou um total de 20 títulos pelo Al-Ahly, conjunto da cidade do Cairo, onde é considerado um ‘Deus’, e quatro deles aconteceram na Liga dos Campeões da CAF, em 2001, 2005, 2006 e 2008.

Os egípcios selaram os títulos em finais com os sul-africanos do Mamelodi Sundowns (2001), os tunisinos do Étoile du Sahel (2005) – que se ‘vingariam’ em 2007 – e do CS Sfaxien (2006) e os camaroneses do Coton Sport (2008),

Por seu lado, Mourinho logrou dois sucessos na Europa, na ‘milionária’ Liga dos Campeões, indiscutivelmente a mais importante competição mundial de clubes.

O actual treinador da Roma venceu o primeiro troféu ao serviço do FC Porto, em 2003/04, e o segundo ao comando dos italianos do Inter Milão, em 2009/10, somando por triunfos as duas presenças na final da ‘Champions’, em finais com os franceses do Mónaco (3-0) e os alemães do Bayern Munique (2-0), respectivamente.

Abel Ferreira deixou para trás quatro treinadores lusos que já se sagram uma vez campeões continentais de clubes.

O derradeiro foi Leonardo Jardim, que conseguiu na terça-feira o primeiro sucesso luso na Ásia, ao comandar os sauditas do Al-Hilal à vitória na ‘Champions’ asiática de 2021, com um triunfo por 2-0 sobre o Pohang Steelers, na final de Riade.

O primeiro foi Artur Jorge, que conduziu o FC Porto ao seu primeiro título europeu, na final da Taça dos Campeões Europeus de 1986/87, em Viena, com um 2-1 ao Bayern Munique, selado, com reviravolta, por Madjer, de calcanhar, e Juary.

Depois, em 2011/12, foi a vez de André Villas-Boas, o único técnico luso que ganhou sem disputar a final, já que foi despedido do Chelsea a meio dos oitavos de final da ‘Champions’, que os ‘blues’ venceriam já com o italiano Roberto Di Matteo ao comando.

Em 2019, foi Jorge Jesus a somar a primeira vitória lusa na Taça Libertadores, ao serviço do Flamengo, que repetiu o longínquo triunfo de 1981 ao bater na final os argentinos do River Plate por 2-1, com dois golos a acabar de Gabriel Barbosa.

Na edição seguinte, Abel Ferreira sucedeu ao agora técnico do Benfica e agora revalidou o ceptro.

PFO/NFO // NFO

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade