O Benfica procura hoje (22:15, hora luxemburguesa) alcançar os quartos de final da Taça de Portugal de futebol, frente ao vizinho Estrela da Amadora, que regressou aos escalões nacionais, no Campeonato de Portugal, depois de muitos anos entre os ‘grandes’.

O encontro marca o regresso do treinador ‘encarnado’, Jorge Jesus, às suas origens.

Na antevisão do encontro, o treinador Jorge Jesus admitiu hoje que vai fazer alterações na equipa de futebol do Benfica para o encontro da Taça de Portugal, com o Estrela da Amadora, mas rejeitou estar já a pensar no FC Porto.

Os ‘encarnados’ disputam na terça-feira os oitavos de final da prova ‘rainha’ do futebol português e visitam os ‘dragões’ na sexta-feira, em desafio da I Liga, dois jogos importantes para os objetivos da época, mas Jesus sublinhou que “jogar de dois em dois dias condiciona sempre as escolhas” e que não privilegia as alterações “em relação ao adversário”.

“Claro que nessas escolhas há uma dose de pensar em quem é o adversário mais forte, mas a partir do momento em que começamos a jogar de dois em dois dias vai haver muita modificação. E este jogo de amanhã [terça-feira] começa já um ciclo em que há muitos jogos. Vamos mexer em alguns jogadores, mas em relação ao FC Porto não. Tem mais a ver com o jogo com o Tondela e com o Estrela da Amadora e, claro, passados três dias, com o FC Porto”, explicou o técnico, em conferência de imprensa, no Seixal.

Nesse sentido, Jorge Jesus admitiu que, “apesar de ainda ter um treino” na terça-feira, o centro da defesa é um dos setores em que vai promover alterações, mas, mais uma vez, voltou a apontar a sobrecarga de jogos e não os rivais para justificar a sua opção.

“O Benfica, por jogar de dois em dois dias, tem de pôr outros [defesas] centrais a jogar, outros jogadores a competir, para que no dia em que tiver de mudar tenha jogadores que já tenhamos visto não só em competição, mas também em treino, para nos dar total segurança”, justificou.

O treinador do Benfica, Jorge Jesus. FOTO: RUI MINDERICO/LUSA

Além da defesa, Jesus admitiu que o avançado Gonçalo Ramos, que recuperou recentemente da infeção pelo novo coronavírus, “vai ser convocado e com certeza vai jogar”, mas o mesmo não acontece com Cervi e Gabriel, que cumpriram no domingo 10 dias após o teste positivo ao novo coronavírus.

“Fazendo ontem [domingo] 10 dias, não têm condições físicas nem psicológicas para fazer o jogo”, frisou o treinador.

Jorge Jesus considerou mesmo que o vírus SARS-Cov-2 é, neste momento, o principal obstáculo à concentração dos jogadores, mas, questionado sobre uma possível paragem do futebol durante o confinamento, que poderá ser anunciado esta semana pelo Governo, lembrou que “o futebol e as equipas têm sido um exemplo” no combate à pandemia.

“Portanto, por mim, continuava sempre. O campeonato não para porque há uma segurança total em relação às equipas de futebol. Mas se a DGS [Direção-Geral da Saúde] entender que temos de parar, temos de cumprir as decisões governamentais”, comentou.

O Benfica visita o Estrela da Amadora num encontro dos oitavos de final da Taça de Portugal que Jorge Jesus antevê “bem disputado e competitivo”, por ser para uma competição em que as equipas mais pequenas “jogam com a expectativa de poder surpreender”.

O técnico lembrou o exemplo do próprio Estrela da Amadora, que “já ganhou uma Taça de Portugal”, em 1991, mas frisou que “o Benfica tem de ter mais argumentos” para continuar numa competição que “diz muito” ao técnico “e a todos os adeptos de futebol em Portugal”.

Treinador do Estrela da Amadora vai manter ideias de jogo diante do Benfica

O treinador do Estrela da Amadora, Rui Santos, afirmou que vai manter as ideias já implementadas na formação do Campeonato de Portugal diante do primodivisionário Benfica, nos oitavos de final da Taça de Portugal de futebol.

“Se há um segredo, é não mexermos muito e não alterarmos o que está feito. Temos uma ideia e modelo de jogo implantados e não faz sentido alterar tudo por um jogo. Vamos ter uma dificuldade acrescida, porque não consigo adivinhar a equipa que o Benfica vai apresentar amanhã [terça-feira], é provável que haja alguma rotatividade”, sublinhou.

Em conferência de imprensa de antevisão, no Estádio José Gomes, na Amadora, palco do encontro da ‘prova rainha’, Rui Santos manifestou a crença de que “no futebol tudo é possível”, pois “cada jogo tem uma dinâmica própria” e “há momentos que fazem com que o jogo caia mais para um lado ou para o outro”, lamentando a ausência de público no recinto.

“Seria um jogo muito emotivo, de estádio cheio. A enorme massa associativa do Estrela da Amadora, desejosa como está de acompanhar a equipa, ia comparecer em grande número. Trazia um ambiente completamente diferente ao jogo e ao estádio, seria uma experiência ainda mais fantástica, mas não é possível”, expressou.

Satisfeito por saber que o treinador das ‘águias’, Jorge Jesus, que iniciou a carreira no Estrela da Amadora, acompanha a aCtualidade dos ‘tricolores’, Rui Santos advertiu que poderá ser uma vantagem do adversário, uma vez que o Benfica “fica muito diferente quando muda algumas peças” e que não tem “assim tantos pontos fracos como as pessoas querem fazer crer”.

Com o jogo da terceira eliminatória entre Benfica e Paredes, igualmente do Campeonato de Portugal, como referência, embora tenha sido “há algum tempo” e o Benfica está “noutro contexto”, o ‘timoneiro’ dos amadorenses garantiu que o plantel que orienta, apesar de muito jovem, tem “muita maturidade”.

“Não precisamos de fazer grandes incentivos e apelos à mentalidade deles. É um grupo jovem, mas com maturidade competitiva muito grande. Tínhamos três jogos antes do Benfica e só falámos do Benfica no balneário no treino de ontem [domingo]. No dia seguinte ao sorteio, no pequeno-almoço no refeitório, não houve um jogador que entrasse eufórico porque tinha calhado o Benfica”, contou.

Rui Santos, treinador do Estrela da Amadora – FOTO DR

Rui Santos não tem dúvidas que o Estrela da Amadora demorará pouco a alcançar de novo os campeonatos profissionais: “Com a estrutura profissional que conseguiu montar, aliada às condições de trabalho que temos e com o apoio que os adeptos nos dão, acredito que, num futuro próximo, o Estrela vai para os campeonatos profissionais.”

O ‘capitão’ do Estrela da Amadora, o guarda-redes Filipe Leão, admitiu que o maior prémio que os jogadores podem receber “já é jogar contra o Benfica”, estando feliz por receber os ‘encarnados’, em vez de visitar a Luz, e por “ser uma montra para todos”.

“O sentimento é especial. Não se joga todos os dias contra o Benfica. No Campeonato de Portugal, não estamos habituados a jogar com um ‘grande’ e vai ser um dia especial, sem dúvida”, ressalvou.

Os líderes da série G do Campeonato de Portugal recebem, a partir das 22:15, o Benfica, aCtual terceiro classificado da I Liga, em encontro dos oitavos de final da Taça de Portugal de futebol, arbitrado por João Bento, da associação de Santarém.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade