Sporting e Sporting de Braga, vencedores das últimas edições da Taça da Liga de futebol e ambos com dois troféus no currículo, protagonizam hoje (20:45, hora luxemburguesa) uma final inédita da competição, depois de terem eliminado FC Porto e Benfica, respectivamente.

A 14.ª edição da prova será decidida em Leiria, palco onde os ‘leões’ derrotaram os ‘dragões’ por 2-1, na terça feira, um dia antes de os ‘arsenalistas’ aplicarem o mesmo resultado às ‘águias’, assegurando a primeira decisão entre as duas equipas desde que a prova arrancou, em 2007/08.

Com dois troféus arrecadados, lisboetas e minhotos procuram um terceiro, que lhes valerá o segundo lugar do ‘ranking’, a quatro do Benfica, recordista de conquistas, com sete.

O Sporting venceu as finais de 2017/18 e 2018/19, ambas no desempate por grandes penalidades, depois de ter perdido as de 2007/08 e 2008/09, enquanto os bracarenses triunfaram em 2012/13 e na época passada, sendo que, pelo meio, em 2016/17, foram surpreendentemente derrotados pelo Moreirense.

De resto, nos bancos vão estar dois treinadores que também já sabem o que é vencer esta competição. Rúben Amorim, agora no Sporting, conduziu os ‘arsenalistas’ ao triunfo da época passada e Carlos Carvalhal arrebatou a edição inaugural, em 2007/08, ao comando do Vitória de Setúbal, numa final diante dos ‘leões’ e que foi decidida nos penáltis.

No Sporting, Nuno Mendes e Sporar voltam a estar à disposição de Rúben Amorim, depois de terem falhado a meia-final, devido aos testes ‘falsos positivos’ na despistagem ao novo coronavírus, enquanto o Sporting de Braga já deverá ter o ponta-de-lança Paulinho a 100%.

Rúben Amorim espera que “estrelinha da sorte” o acompanhe na final

O treinador de futebol do Sporting, Rúben Amorim, disse esperar um grande jogo na final da Taça da Liga com o Sporting de Braga, puxando pela “estrelinha da sorte” que o tem acompanhado na carreira.

Rúben Amorim, que falava na conferência de imprensa de antevisão ao encontro marcado para Leiria, acredita que não haverá grandes diferenças em relação ao jogo em Alvalade, na 12.ª jornada da I Liga (vitória ‘leonina’ por 2-0).

“Podem mudar alguns jogadores, mas as ideias de jogo não mudam. Vai ser um jogo muito competitivo. Um golo no início do jogo pode tornar o jogo completamente diferente”, afirmou, insistindo na ideia de que “as incidências do jogo podem mudar tudo”.

Para este encontro, Rúben Amorim, que venceu a final do ano passado ao comando dos bracarenses [1-0 ao FC Porto, com um golo de Ricardo Horta, aos 90+5 minutos], está longe de esperar facilidades, contudo, mostra não ter esquecido as características dos jogadores que treinou na época passada.

“Espero um Sporting de Braga muito igual ao que tem vindo a ser. Conheço bem o plantel e é uma equipa muito forte, e que entende os momentos do jogo. Vamos tentar desequilibrar e criar espaços. Acho que vamos fazer um grande jogo”, disse.

Diante do FC Porto, no encontro da meia-final [vitória por 2-1], os golos dos ‘leões’ foram apontados nos últimos minutos, já depois dos ‘azuis e brancos’ terem inaugurado o marcador. Uma situação que tem acompanhado o Sporting esta temporada e que o treinador acredita tratar-se, por um lado, da forte vontade dos jogadores, mas por outro de sorte.

“O mérito tem de ser dado aos jogadores. Eles acreditam até ao último momento. Não depende da equipa técnica. Se dependesse da equipa técnica, marcávamos logo nos primeiros minutos. E falo em estrelinha porque muitas vezes a sorte tem um papel importante na nossa vida. Quanto mais falo, mais tenho. Por isso aproveito para falar aqui”, afirmou.

Antevisão – Allianz Cup | Sporting CP x SC Braga

Conferência de imprensa de antevisão à final da #AllianzCup 🏆

Posted by Sporting Clube de Portugal on Friday, January 22, 2021

Diante dos ‘arsenalistas’, Amorim garantiu a presença de Tiago Tomás no ‘onze’ e levantou a ‘ponta do véu’ em relação à eventual utilização de Nuno Mendes e Sporar, jogadores que não tiveram autorização por parte da DGS para defrontar o FC Porto, depois de ‘falsos positivos’ ao novo coronavírus.

“Só quando eles estiverem perfilados para entrar é que podemos ter certezas. Os factos comprovam que estávamos certo. Isso é o mais importante para nós. Estávamos a defender os nossos jogadores. O facto de poderem jogar agora, prova que estávamos certo”, afiançou.

Por sua vez, o jovem avançado Tiago Tomás garantiu que a equipa está motivada para defrontar e vencer o Sporting de Braga.

“Será uma final, por isso ainda mais confiantes. Sabemos da nossa qualidade e queremos ganhar o jogo. Estamos a disputar uma final e, como em todos os jogos, temos de ganhar. Não vai ser diferente. Vamos dar o nosso melhor”, garantiu.

Desde que chegou à equipa principal do Sporting, o jovem, de 18 anos, já fez o gosto ao pé em todas as competições, exceto na Taça da Liga, situação que quer inverter, mesmo estando a viver um sonho.

“Quando entrei no Sporting, há sete anos, isto era só um sonho. Agora, é uma realidade e não há tempo para deslumbramentos. Espero que amanhã [sábado] possa marcar um golo para ter golos em todas as competições”, desejou.

Carvalhal tem “respeito máximo” pelo Sporting mas quer levar troféu para Braga

O treinador Carlos Carvalhal disse ter “respeito máximo” pelo Sporting, mas frisou que o Sporting de Braga quer muito levar a Taça da Liga de futebol para Braga em ano de centenário do clube.

O técnico desvalorizou o embate do Sporting de Braga com os ‘leões’ para o campeonato, que os minhotos perderam 2-0, tal como o tinha feito em relação à partida com o Benfica, que venceram por 3-2, no Estádio da Luz.

“A história e o passado não contam para nada, não têm nada a ver com este jogo. Há um foco muito grande das duas equipas, que vão querer ganhar, o Sporting é um adversário difícil, que joga bem, com um bom treinador, temos respeito máximo, mas queremos a taça para nós”, disse na antevisão da partida, em Leiria.

Ainda assim, o técnico considerou que, em relação a esse jogo em Alvalade, há três semanas, o Sporting de Braga está “mais equilibrado”, porque tem mais opções.

“Tivemos algumas dificuldades na altura por causa da covid-19, ainda que não a fazer o ‘onze’, mas, com mais opções, estamos mais preparados e equilibrados e isso é um ponto positivo que queremos explorar. O que conta é a estratégia e a dinâmica de jogo e espero que o Braga tenha a mesma dinâmica, principalmente a ofensiva, e que sejamos nós a levar o troféu para Braga num ano de centenário”, reforçou.

Carlos Carvalhal abordou ainda o crescimento do clube nos últimos anos que conduziu o Sporting de Braga ao estatuto incontestado de ‘quarto grande’ a seguir aos tradicionais Benfica, FC Porto e Sporting.

“O presidente [António Salvador] foi muito claro em recentes entrevistas sobre o posicionamento do Braga: foi, é e será sempre ‘outsider’ dos ‘três grandes’, pela sua grandeza social, pelo investimento, pela proteção que têm a nível geral. O Braga estará sempre a morder os calcanhares de um deles, que se possa distrair numa época, ou dois, ou três, que é mais raro, mas já aconteceu, aí o Braga pode ter uma palavra a dizer”, disse.

Contudo, vincou, Benfica, FC Porto e Sporting “são e serão sempre os principais candidatos”. “O Braga luta por diminuir essa diferença e tem escalado uns degraus [nessa luta], sendo que isso não invalida, como no último jogo com o Benfica, em que provou que foi melhor, que, no campo, jogue olhos nos olhos perante qualquer adversário, em qualquer estádio”, completou.

PRE-MATCH ALLIANZ CUP | SPORTING CP X SC BRAGA

🔴 EM DIRETO: Conferência de Imprensa 📡 de Carlos Carvalhal e Ricardo Horta

Posted by SC Braga on Friday, January 22, 2021

O treinador revelou ainda não estar preocupado por Helton Leite, guarda-redes do Benfica que testou positivo para o novo coronavírus, ter jogado com os ‘arsenalistas’ na quarta-feira.

“Vivemos num meio extremamente controlado, depois da minha casa, o meu local de trabalho é onde me sinto melhor, tudo o que seja fora disso cria-me alguma ansiedade, até estar aqui. Pode acontecer a qualquer um hoje em dia [ficar infetado], mas temos que fazer tudo o que está ao nosso alcance para manter o futebol, ser um exemplo de luta contra o vírus, levar a nossa empreitada de início ao fim. As pessoas estão em casa e nós somos pagos para entreter as pessoas”, disse.

Questionado sobre o alegado interesse do Sporting em Paulinho, o técnico diz ser um assunto que “já faz parte do anedotário”.

“Já ninguém liga a essas notícias, faz lembrar aquela situação de um grande jogador que vinha para Portugal, e não veio, e encheram-se páginas de jornais durante 45 dias”, exemplificou, numa alusão implícita à ‘novela’ entre Edinson Cavani e o Benfica no último defeso.

Sentado ao lado do técnico, o extremo Ricardo Horta desvalorizou o facto de o Sporting de Braga ter menos 24 horas de recuperação do que os jogadores ‘leoninos’ e frisou que a equipa está “com muita intenção de vencer”.

“Nós, jogadores, estamos habituados a esta sequência de jogos, a jogar com poucos dias de diferença, e esse é um fator que não se vai sentir nesta final. Creio que será uma final muito bem disputada entre duas grandes equipas. Estamos recuperados e preparados”, disse.

O jogador, de 26 anos, a cumprir a sua quinta temporada nos minhotos, considerou estar a atravessar o melhor momento da carreira.

“Todos os jogadores têm grandes momentos e outros menos bons, faz parte da nossa carreira. Sinto que estou num bom momento, já o ano passado me exibi a um muito bom nível, posso dizer que estou na melhor fase da carreira, mas isso deve-se muito à equipa e, principalmente, ao clube que tem evoluído muto nos últimos anos”, disse.

A final da Taça da Liga tem início às 20:45, no Estádio Dr. Magalhães Pessoa, em Leiria, e será dirigida pelo árbitro Tiago Martins, da Associação de Futebol de Lisboa.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade