A queixa por violação apresentada contra o jogador de futebol da Juventus Cristiano Ronaldo nos Estados Unidos, que fez baixar as ações do clube em 15%, foi retirada.

O pedido de retirada de queixa foi apresentado no mês passado no tribunal estadual de Nevada em Las Vegas. O documento não diz se a mulher que acusava Ronaldo chegou ou não a um acordo com o futebolista português, acrescenta a Bloomberg.

O New York Times revelou em março que a Juventus, campeã da liga italiana, não participaria na Taça dos Campeões Internacionais nos EUA neste verão para evitar que Ronaldo pudesse ser detido nos Estados Unidos no âmbito deste caso.

Em setembro do ano passado, a norte-americana Katheryn Mayorga, de 34 anos, tinha apresentado uma queixa contra Cristiano Ronaldo por um crime que teria sido cometido em 2009.

O caso foi reaberto depois de a mulher ter apresentado novas informações sobre a alegada violação, colaborando com as autoridades na investigação. No estado norte-americano do Nevada os crimes sexuais não prescrevem desde que tenham sido devidamente reportados às autoridades.

A defesa de Cristiano Ronaldo sempre disse que o que se passou entre o futebolista e Mayorga foi por mútuo acordo.

Publicidade