O movimento ‘#MeToo’, que denuncia as agressões sexuais cometidas por homens com poder, foi quem deu a Kathryn Mayorga a “coragem” de denunciar o português Cristiano Ronaldo, disseram hoje, em conferência de imprensa, os advogados da alegada vítima.

Aquele movimento “e as mulheres que se exprimiram e denunciaram os abusos sexuais deram a Kathryn muita coragem e permitiram-lhe apresentar uma participação cível”, segundo o escritório de advogados que representa Kathryn Mayorga, uma norte-americana que afirma que Ronaldo a violou em 13 de junho de 2009 durante uma festa num hotel de Las Vegas, estado norte-americano do Nevada. O jogador negou, na quarta-feira, a acusação.

À data, a queixosa denunciou a presumível violação à polícia de Las Vegas e foi submetida a um exame médico.

Hoje, os seus advogados informaram que na ocasião a sua cliente informou que o futebolista português seria o alegado agressor.

O escritório de advogados vai apresentar uma ação civil contra Ronaldo pelos crimes de violação sexual, tentativa de assédio sexual, coação para fraude, agressão a uma pessoa vulnerável, conspiração, difamação, abuso de processo, tentativa de silenciar o caso, tentativa de concretizar um acordo de não divulgação, negligência e violação de contrato.

Assim que for notificado, o internacional português da equipa italiana Juventus terá 20 dias para responder à queixa.

Os advogados de Mayorga referem ainda que a mulher terá sofrido distúrbios emocionais na sequência do incidente, tendo ficado frágil e sofrido de depressão.

A situação terá ainda levado a suposta vítima a pensar em suicídio, bem como ao abuso do álcool, perda do emprego e com relações pessoais afetadas.

Argumentam também que a mulher foi conduzida a um especialista, que lhe diagnosticou uma disfunção pós-traumática e uma depressão, consequência da alegada violação por parte de Cristiano Ronaldo.

Kathryn Mayorga alega que terá sido coagida a assinar um acordo de confidencialidade a troco de cerca de 325 mil euros (375 mil dólares), assentimento que agora os seus advogados consideram não ter valor legal.

Entretanto, o futebolista português negou, na quarta-feira, as acusações de violação de que está a ser alvo, numa mensagem publicada na rede social Twitter.

“Nego terminantemente as acusações de que sou alvo. Considero a violação um crime abjeto, contrário a tudo aquilo que sou e em que acredito. Não vou alimentar o espetáculo mediático montado por quem se quer promover à minha custa”, escreveu.

O jogador da Juventus garante que vai aguardar “com tranquilidade o resultado de quaisquer investigações e processos”, pois nada lhe “pesa na consciência”.

A polícia de Las Vegas reabriu esta semana a investigação sobre as acusações de violação apresentadas por Mayorga contra Cristiano Ronaldo, pelos factos que remontam a 2009.

“O caso foi reaberto e os nossos investigadores estão a analisar as informações dadas pela vítima”, disse a polícia na segunda-feira.

Na conferência de imprensa, os advogados explicaram que o prazo para intentar a ação criminal já foi ultrapassado, mas acreditam que a polícia possa levar o processo até ao procurador para um eventual procedimento criminal, sustentando que o acordo firmado há nove anos é ilegal, pelo que a queixa-crime ainda tem validade para prosseguir.

Kathryn Mayorga, agora professora com 34 anos, apresentou queixa a semana passada num tribunal do condado de Clarck, Las Vegas, no estado norte-americano do Nevada.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco via email para geral@lux24.lu.
Siga o LUX24 nas redes sociais. Use a #LUX24 nas suas publicações.
Faça download gratuito da nossa ‘app’ na Google Play ou na App Store.
Publicidade
Publicidade