A ministra da Cultura, Graça Fonseca, fala à imprensa sobre as conclusões da reunião do grupo de trabalho para análise, atualização e adaptação dos regimes dos contratos laborais dos profissionais do espetáculo, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 05 de junho de 2020. TIAGO PETINGA/LUSA
A ministra da Cultura, Graça Fonseca, fala à imprensa sobre as conclusões da reunião do grupo de trabalho para análise, actualização e adaptação dos regimes dos contratos laborais dos profissionais do espectáculo, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 05 de junho de 2020. FOTO: TIAGO PETINGA/LUSA

Associações representativas da Cultura manifestaram-se esta sexta-feira (05) satisfeitas com o resultado da primeira reunião com o Governo para resolver a precariedade do sector, considerando que se abriu um grande caminho para a frente, mas que ainda é prematuro fazer avaliações.

Um grupo de trabalho interministerial, para analisar os regimes dos contratos laborais dos profissionais do espectáculo, reuniu-se ontem pela primeira vez, com a participação da ministra da Cultura, Graça Fonseca, da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, e de estruturas ligadas ao sector da cultura.

O objectivo é analisar, actualizar e adaptar os contratos de trabalho dos profissionais de espectáculos e respectivo regime de segurança social.

Num primeiro balanço, a produtora Sara Goulart, da coordenação executiva da Rede – Associação de Estruturas para a Dança Contemporânea, considerou positiva a reunião, afirmando que se começou a caminhar no sentido das reivindicações antigas dos artistas, mas admitiu que ainda é prematuro uma avaliação.

“Foi a primeira reunião, de apresentação de metodologia. Saudamos a iniciativa de pegar num tema que é uma reivindicação de há muito tempo e temos expectativa de que o processo seja muito produtivo e que venha a conseguir dar uma resposta” ao sector, disse à Lusa.

Em causa está a elaboração de um “estatuto do trabalhador intermitente”, ou seja, uma legislação adequada que tenha em conta a especificidade do sector e que permita aos profissionais em situação laboral precária – a grande maioria – terem um acesso mais justo às medidas de protecção social.

Segundo Sara Goulart, estes trabalhadores querem estar “em pé de igualdade com os trabalhadores com vínculos efectivos”, e que se “avance seriamente no combate a todas as formas de precariedade”.

“A abrangência de questões em cima da mesa é promissora e cria expectativas. Hoje foi um dia positivo. Pareceu estar aberto um grande caminho para a frente. Pareceu-nos haver uma disponibilidade muito grande para discutir o assunto, transversalmente, no universo da Cultura”, afirmou.

Na opinião da representante da Rede, “quando se juntam três ministérios e quando se convida um universo tão abrangente de estruturas representativas é normal que se criem expectativas, mas agora o Ministério tem de estar à altura”.

O representante do Sindicato dos Trabalhadores de Espectáculos, do Audiovisual e dos Músicos (Cena-STE) Rui Galveias faz uma avaliação semelhante, mas cautelosamente explica que este primeiro encontro serviu essencialmente para esclarecimento de algumas questões de fundo laborais e perceber o que pretende o sector.

“Saímos com a sensação de que começámos a trabalhar, mas há um caminho muito grande e eles têm que o fazer na nossa direcção: sabemos o que queremos e o que queremos não é nada de mais. O caminho tem de ser do governo na nossa direcção”, disse Rui Galveias à Lusa.

Segundo o dirigente sindical, foram colocadas “muitas questões em cima da mesa”, como a necessidade de garantir que as especificidades profissionais deste sector são “colocadas nos documentos” e que os artistas e profissionais da cultura são “protegidos pela segurança social”.

“Foi uma primeira reunião. É muito confuso, há falta de clareza quando chegamos às medidas concretas. Há esforços, há um caminho apontado numa direcção, mas a custo, com hesitações e de forma atabalhoada”, afirmou Rui Galveias.

O dirigente do Cena-STE mostrou-se também preocupado “com a falta de conhecimento do sector” demonstrada na reunião, mas afirma que lhes foi dada a garantia do governo de que iria trabalhar no aprofundamento desse conhecimento, e “esses compromissos são bons”.

Este grupo de trabalho irá reunir-se mais três vezes até ao final do ano, altura em que – segundo tem afirmado a ministra da Cultura – deverá estar resolvida a questão das condições laborais e das carreiras contributivas dos profissionais das artes e do espectáculo.

Na reunião estiveram ainda presentes o director-geral das Artes (DGArtes), Américo Rodrigues, o director-geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB), Silvestre Lacerda, e o presidente do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), Luís Chaby Vaz.

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, em declarações aos jornalistas, no final da reunião, disse que vai ser feito um inquérito a todos os profissionais do sector e um mapeamento do tecido cultural, que vão servir a análise, actualização e adaptação dos regimes dos contratos laborais.

De acordo com Graça Fonseca, esta foi uma necessidade “identificada por todos” os representantes do governo e das estruturas, “uma necessidade muito relevante” existente “já há muitos anos, mas agora ainda mais”, para “se conhecer melhor o sector”.

Os dados mais recentes sobre emprego no sector da Cultura, em Portugal, remontam a 2018, somam 160.600 pessoas, das quais uma em cada quatro trabalhava por conta própria, e foram divulgados esta semana pelo Governo.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco via email para geral@lux24.lu.
Siga o LUX24 nas redes sociais. Use a #LUX24 nas suas publicações.
Faça download gratuito da nossa ‘app’ na Google Play ou na App Store.
Publicidade
Publicidade