Centenas de trabalhadores dos espectáculos manifestaram-se hoje em Lisboa, num protesto que alertou para situações de fome e miséria, a perda de trabalhadores qualificados para outras profissões e uma “morte certa” do sector se nada for feito.

Esta manhã, em frente à entrada da praça de touros e sala de espectáculos do Campo Pequeno, várias dezenas de caixas pretas, usadas para guardar o material dos técnicos de palco e assistentes de espectáculos, alinhavam-se em longas filas, erguidas ao alto, identificadas com o nome das muitas empresas ali presentes, todas elas fechadas, numa imagem de imobilidade que é o retrato do momento que atravessa o sector.

Os técnicos estavam no interior da praça, sentados nas cadeiras ali colocadas à distância regulamentar exigida pela Direção-Geral de Saúde (DGS), para ouvir intervenções de artistas, representantes associativos e promotores de festivais, a traçarem uma imagem de crise e a apelarem para medidas urgentes do Governo que não deixem morrer a cultura em Portugal.

“É uma situação muito trágica, porque deixámos de estar presentes no discurso, aliás nunca o estivemos, e é preciso [saber] se o Governo e os decisores políticos assumem que destroem a cultura num país, a identidade de um país, centenas de milhares de empregos, de vidas”, disse à Lusa Sandra Farinha, da direção da Associação de Promotores de Espectáculos, Festivais e Eventos (APEFE).

Sandra Farinha foi a primeira a subir ao palco, para questionar “quem assume a decisão de acabar com a cultura”, que está “a colapsar” no contexto da pandemia de covid-19, com 130 mil trabalhadores com postos de trabalho em risco num setor que estima perdas de 90% até ao final do ano, estando neste momento já muito próximo desse valor.

À Lusa, a representante sublinhou a especialização destes trabalhadores, que estão agora a procurar empregos noutras áreas para conseguir sobreviver.

“Há técnicos que estão a fazer jardinagem e a trabalhar nas obras, artistas a vender instrumentos e há muito desemprego. É urgente que a cultura passe a ser um bem essencial neste país e para quem nos governa”, disse, acrescentando que são necessários apoios a fundo perdido da chamada “bazuca europeia”.

Sandra Farinha lembrou os apoios dados noutras áreas: “Quando há uma tragédia na agricultura, nas pescas, na banca, na TAP, o Governo vem salvar, tem de salvar a cultura”.

Pedro Magalhães, da Associação Portuguesa de Serviços Técnicos para Eventos (ASPTE), disse à Lusa que a perda de trabalhadores especializados da área dos espectáculos para outras profissões é um factor de risco para a própria sobrevivência das empresas, uma vez que o custo da sua formação, que demora cerca de dois anos, é elevado e não é garantido que regressem quando acontecer a retoma da economia, que será necessariamente lenta.

“Neste momento o que nos está a acontecer é uma morte certa, se nos mantivermos desta forma sem qualquer apoio, e perdermos todos estes eventos e toda esta capacidade de trazer para o nosso país estes eventos que muito dinheiro deixam em Portugal. Se nada acontecer até ao final deste ano, pelo inquérito que fizemos aos nossos associados, 50% das empresas vão fechar e, consequentemente, postos de trabalho. Cerca de 1.200 postos de trabalho em causa”, disse.

A economia passou a ser a “língua” mais falada no sector. Foram muitas as intervenções que apresentaram números – de trabalhadores em risco, de perdas estimadas, de valor económico criado ou de impostos pagos – para lembrar ao Governo que o sector é um contribuinte líquido da economia nacional, pelo que não pede subsídios, mas investimento, como sublinhou Álvaro Covões, promotor de festivais e membro da direcção da APEFE.

“Estamos a viver uma pandemia, precisamos que olhem para nós como pessoas, não como NIF [números de identificação fiscal]”, disse Álvaro Covões, que criticou que a cultura valha 0,39% no próximo Orçamento do Estado e que o plano de recuperação nacional recentemente apresentado “não tenha uma linha sobre cultura”.

Em intervenções previamente gravadas, os actores Ana Bola e José Pedro Gomes falaram em situações de fome e miséria vividas por pessoas que há meses não vêem entrar qualquer rendimento nas suas casas.

O mesmo foi sublinhado pelo actor José Raposo, que lamentou a ausência da ministra da Cultura no protesto de hoje. A governante foi, tal como o primeiro-ministro, convidada a estar presente, conforme confirmou Sandra Farinha.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,3 milhões de mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 3.824 em Portugal.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade