WASHINGTON - DECEMBER 2: Honoree musician Leon Fleisher arrives at the 30th Annual Kennedy Center Honors December 2, 2007 in Washington, DC. (Photo by Nancy Ostertag/Getty Images)
Leon Fleisher em dezembro de 2007, em Washington, DC. FOTO: Nancy Ostertag/Getty Images/afp

O pianista, maestro e pedagogo norte-americano Leon Fleisher morreu no domingo em Baltimore, Estados Unidos, aos 92 anos, revelou o New York Times.

Leon Fleisher, descrito como um pianista prodígio que começou a tocar aos quatro anos, teve uma carreira internacional que fez furor sobretudo nos anos 1950 e 1960 e que ficou ainda marcada por um problema neurológico que lhe afetou a mão direita.

Em 1964, então com 37 anos, o pianista ficou com dois dedos da mão direita imobilizados, o que o condenou a abandonar temporariamente os palcos, submetendo-se a intensos tratamentos.

Nas décadas seguintes, Leon Fleisher acabou por se dedicar ao ensino, ao trabalho de maestro e aperfeiçoou a técnica na interpretação de repertório pianístico para mão esquerda, estimulando ainda outros compositores a escreverem música apenas para mão esquerda.

Trinta anos depois, nos anos 1990, o pianista recuperou do problema e manteve-se ativo em recitais e na gravação de álbuns até 2019. Em 2004 gravou o álbum “Two Hands”, evocando precisamente a história da imobilização da mão direita.

Enquanto intérprete, o New York Times sublinha que as gravações de Leon Fleisher de obras de Brahms e Beethoven, registadas em 1958 e 1963.

Filho de emigrantes europeus, Leon Fleisher nasceu em São Francisco em 1928, estreou-se aos 16 com a Orquestra Filarmónica de Nova Iorque, viveu em França, na Holanda e em Itália durante a década de 1950, regressando depois aos Estados Unidos.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade