O pianista e teclista norte-americano de jazz Lyle Mays, de 66 anos, morreu na segunda-feira, em Los Angeles, anunciou o guitarrista Pat Metheny no seu site na Internet.

“É com muita tristeza que anunciamos a morte de nosso amigo e irmão Lyle Mays (1953-2020). Ele morreu em Los Angeles, depois de uma longa batalha com a doença, cercado pelos seus entes queridos”, lê-se na página de abertura do Pat Metheny Group, de que Lyle Mays era um dos fundadores.

R.I.P. Lyle Mays (1953-2020)2.10.2020It is with great sadness that we have to report the passing of our friend and…

Publiée par Pat Metheny sur Mardi 11 février 2020

 

Nascido numa pequena cidade do Wisconsin, em Novembro de 1953, Lyle Mays tocou com a orquestra de Woody Herman e, em 1974, com Pat Metheny, fundou um dos mais antigos e bem-sucedidos grupos de jazz, The Pat Metheny Group.

O álbum Watercolors, editado em 1977 pela etiqueta alemã ECM, marcava o encontro da dupla, a quem se juntaram então o contrabaixista Eberhard Weber e o baterista Danny Gottlieb.

Um ano depois, The Pat Metheny Group assinalava a formação da banda, ainda com Mark Egan, no baixo. Só em 1980, com a chegada do baixista Steve Rodby ficaria formado o “núcleo duro” do grupo, que se manteria inalterado durante mais de 35 anos.

Juntos gravam o álbum Offramp (1982), que viria a ser distinguido com o Grammy de melhor disco de jazz de fusão. Pelo meio ficavam American Garage (1979), o primeiro LP de Pat Metheny e Lyle Mays a atingir o n.º 1 do top Billboard, e As Falls Wichita, So Falls Wichita Falls (1981), que contou com o percussionista brasileiro Nana Vasconcelos.

It is with deep sadness that I share that my uncle, Lyle Mays, passed away this morning in Los Angeles surrounded by…

Publiée par Lyle Mays sur Lundi 10 février 2020

 

Sucederam-se os álbuns Travels, First Circle, Still Life, a banda sonora de The Falcon and the Snowman, We Live Here, Imaginary Day, Speaking of Now ou The Way Up.

A carreira conjunta, com muitas das composições partilhadas, somou 11 prémios Grammy e mais de 30 nomeações, distinções da revista especializada Down Beat e dezenas de discos de ouro e platina.

Em nome próprio, Lyle Mays publicou álbuns como Street Dreams, Fictionary e lançou também recitais a solo como Improvisations for Expanded Piano e The Ludwigsburg Concert, que ultrapassavam os limites do jazz.

Compôs ainda música para crianças, como Tale of Peter Rabbit, que fez com a actriz Meryl Streep, e colaborou com a Steppenwolf Theater Company de Chicago.

 

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade