Vários artistas e grupos de musicais processaram os dois principais partidos políticos dos Estados Unidos, o democrata e o republicano, para que sejam obrigados a pedir autorização para o uso dos seu temas, nas campanhas eleitorais.

Entre estes artistas destacam-se os Rolling Stones, Elton John, REM, Lorde, Sia, Linkin Park, Green Day, Blondie e Pearl Jam.

A Agência Efe escreve que, numa carta assinada por mais de cinquenta músicos da organização de propriedade intelectual Artist Rights Alliance, os comités de ambos os partidos são chamados a “estabelecer regras claras que exijam que as suas campanhas peçam o consentimento dos artistas, antes de usarem publicamente as suas músicas, num cenário político”.

O uso de músicas populares na propaganda política tem sido objecto de polémica nos últimos anos, depois de artistas como Neil Young e Guns N ‘Roses terem criticado o uso das suas composições em comícios de campanha do Presidente dos EUA, o republicano Donald Trump, sem o seu consentimento.

“Este não é um problema novo. Ou partidário. Cada ciclo eleitoral traz histórias de artistas e compositores frustrados, descobrindo que seu trabalho é usado em contextos que sugerem o endosso ou apoio de candidatos políticos sem sua permissão ou consentimento”, afirma a missiva.

Aerosmith, Alanis Morissette, Courtney Love, Cyndi Lauper e Elvis Costello também assinaram o documento, escreve a Efe.

“Ser arrastado inadvertidamente para a política dessa maneira pode comprometer os valores pessoais de um artista, ao mesmo tempo que decepciona e aliena os seus fãs, com um grande custo moral e financeiro”, sublinham.

Os músicos e compositores exigem uma resposta antes de 10 de agosto, menos de três meses antes das eleições presidenciais dos EUA, com a campanha eleitoral a arrancar imediatamente após a realização das convenções de cada partido.

Os signatários também incluem Linkin Park, Lykke Li, Panic! At The Disco, Regina Spektor, Sheryl Crow e Train.

“Como todos os outros cidadãos, os artistas têm o direito fundamental de controlar o seu trabalho e tomar decisões livres sobre sua expressão e participação política. O uso de seu trabalho para fins políticos sem o seu consentimento viola fundamentalmente esses direitos e é uma invasão de interesses pessoais” da sua vida privada, argumentam.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade