“Variações”, de João Maia, foi o filme mais visto do seu fim-de-semana de estreia e, com apenas quatro dias em cartaz, já é a melhor estreia de um filme português em 2019.

O filme, sobre a estrela pop portuguesa dos anos 1980, foi visto por 49 mil pessoas entre quinta-feira (22) e domingo (25), segundo dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA).

Com sessões esgotadas em várias das 94 salas onde se estreou, o filme, protagonizado pelo actor Sérgio Praia, “Variações” arrecadou já 271 mil euros de receitas brutas de bilheteira graças aos 49.005 espectadores que foram ao cinema nos últimos quatro dias.

“Variações”, filme de João Maia sobre o músico António Variações, que morreu em 1984, aos 39 anos, é inspirado na vida do barbeiro minhoto António Joaquim Rodrigues Ribeiro, que desejou viver da música e que em Lisboa se transformou em António Variações, marcando a música portuguesa a partir dos anos 1980.

António Variações nasceu em 1944 em Fiscal, no concelho de Amares, que acolheu na segunda-feira passada a antestreia de “Variações”.

O filme é protagonizado pelo actor Sérgio Praia que, além da interpretação física do músico, também canta todas as canções, recriando as sessões de composição e gravação embrionária dos temas em várias cassetes – sozinho em casa com um gravador e uma caixa de ritmos – até à primeira actuação de Variações, na discoteca Trumps, em Lisboa, em 1981.

 

 

Em julho do ano passado, durante a rodagem do filme, o actor partilhou que andava anda há mais de dez anos a preparar a personagem, tendo o mais importante sido perceber humanamente quem era o músico.

“Se tivesse feito filme há dez anos não tinha densidade. Foi preciso este cansaço para hoje conseguir perceber melhor aquilo que ele viveu, a busca constante, o faz-não-faz. Este tempo foi bom para o meu trabalho”, afirmou o actor na altura em declarações à Lusa.

Além de Sérgio Praia, o elenco inclui, entre outros, Filipe Duarte, Victoria Guerra, Augusto Madeira, Filipe Albuquerque, Lúcia Moniz, Afonso Lagarto, Maria José Paschoal, José Raposo e Dinarte Freitas.

O filme foca-se sobretudo na transformação de António Ribeiro em António Variações, num período de vida entre 1977 e 1981, a época em que um barbeiro ambicionava viver da música, gravava canções em cassetes e ensaiava com músicos amadores, muito antes de editar oficialmente qualquer canção.

Arrojado e irreverente, influenciado pelo fado, pela música popular e pelo pop rock, António Variações morreu aos 39 anos, a 13 de junho de 1984. Deixou apenas dois álbuns editados pouco antes de morrer: “Anjo da guarda” (1983) e “Dar e receber” (1984).

Em julho, a banda sonora foi apresentada ao vivo no festival Alive, em Oeiras, em julho. Em palco, Sérgio Praia esteve acompanhado por Armando Teixeira (sintetizador) e pelos músicos Vasco Duarte (guitarra), David Santos (baixo) e Duarte Cabaça (bateria).

O músico e produtor Armando Teixeira, que assina a direção musical do filme, teve acesso às cassetes que António Variações deixou com dezenas de canções, excertos, ensaios, experimentações; as mesmas cassetes que foram recuperadas para o projeto Humanos, em 2004, e das quais é agora retirado um tema inédito, intitulado “Quero dar nas vistas”.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade