Ato 1 – Manifestar

Este ano, o 1° de Maio, Dia da Festa do Trabalho e Dia do Trabalhador, tem lugar num contexto particular: o ataque frontal do Governo luxemburguês ao nosso sistema de indexação automática dos salários (index) no âmbito da Tripartida. Um acordo que a OGBL se recusou a assinar.

Nesse sentido e para mostrar e demonstrar a nossa oposição ao pacote de medidas proposto pelo Governo para compensar o adiamento de uma, duas ou mesmo mais tranches do index até ao final de 2023 – e que na realidade não compensa nada apenas destrói ainda mais o poder de compra dos trabalhadores – a OGBL organiza uma grande manifestação e desfile de 1° de Maio, na cidade do Luxemburgo.

Organizamos assim uma grande manifestação que parte da gare central da cidade do Luxemburgo às 10h e desfila até ao Grund, seguindo-se o discurso da presidente do sindicato, Nora Back, pelas 11h30. Ou seja, este 1° de Maio combina a ação sindical e política da Festa dos Trabalhadores ao espírito festivo da Festa das Culturas.

A concentração é às 10h frente à gare central da cidade do Luxemburgo. O desfile parte daí para o Grund, até ao Centro Cultural Abadia de Neimënster, onde a presidente da OGBL, Nora Back, profere o seu discurso do 1° de Maio às 11h30.

Ato 2 – Festejar

Mas o dia não é só de reivindicações, também é de festa. Podemos finalmente voltar a organizar a nossa Festa das Culturas, como habitualmente na abadia de Neimënster, no Grund, na cidade do Luxemburgo, depois de esta ter sido cancelada em 2020 e 2021 devido à pandemia e às restrições sanitárias

Esta festa popular e familiar, organizada pela OGBL em colaboração com a abadia neimënster, ASTI e ASTM, tornou-se nos seus 16 anos de existência uma verdadeira instituição e é agora parte integrante da vida cultural e do calendário de eventos da capital, que junta festiva e descontraidamente milhares de pessoas de todos os setores de atividade, de várias origens e nacionalidades.

A festa reveste-se este ano de particular importância pelo momento político e social que vivemos.

Venham e apareçam todos em grande número na manifestação e na festa, por forma a mostrarmos o nosso descontentamento e a nossa oposição à decisão do Governo de adiar o nosso, o vosso, index.

Vamos defender o index! Não toques no meu index !

Programa do 1° de Maio

10:00 GRANDE MANIFESTAÇÃO PELO INDEX
PARTIDA DO CORTEJO  DESDE A GARE DO LUXEMBURGO
11:30 DISCURSO DE NORA BACK, PRESIDENTE DA OGBL
@ NEIMËNSTER LUXEMBURGO-GRUND
12:30 – 18:00 FESTA DO TRABALHO E DA CULTURA @ NEIMËNSTER LUXEMBURGO-GRUND
Concertos + Espetáculos para crianças e todos os públicos + Carrocel + Teatro de revista + Leituras + Ateliês criativos + Exposições + Aldeia gastronómica + Stands de informação e vendas

Programa completo e meios de transporte gratuitos para a festa: http://www.ogbl.lu/pour-un-1er-mai-combatif-grande-manifestation-pour-lindex

OGBL pronta para falar perante a Comissão Especial “Tripartida”

A Comissão Especial “Tripartida” da Câmara dos Deputados, responsável pelo acompanhamento legislativo do pacote de medidas que o Governo ousa chamar “pacote de solidariedade”, reuniu-se em 19 de Abril de 2022.

A OGBL teve conhecimento que o maior partido da oposição pediu para convidar para a próxima reunião desta comissão parlamentar todos os atores envolvidos nas negociações da Tripartida que decorreram de 22 a 31 de Março.

A OGBL informa publicamente que está, por seu lado, totalmente preparada para se reunir com os membros da comissão parlamentar de modo a responder a qualquer questão e de explicar quais as deficiências que vê no acordo “tripartido” que a OGBL se recusou a assinar.

A OGBL recorda as principais razões para não ter este apelidado “pacote de solidariedade”:

– O pacote prevê uma vasta manipulação do index até 2024: para além do adiamento por oito meses da tranche do index que deveria normalmente ser acionada em agosto de 2022, o acordo “tripartido” prevê também um adiamento de, pelo menos, de outros eventuais acionamentos do index que possam vir a ocorrer em 2022 e 2023. Existe portanto um risco real de que uma tranche do index seja perdida se a inflação se mantiver ao nível atual ou aumentar ainda mais.

– outra razão é que muitas das propostas construtivas feitas pela OGBL durante as negociações da Tripartida foram pura e simplesmente afastadas pelo Governo. Assim, durante as negociações não foi possível considerar outras vias para além das adotadas pelo Executivo e pelo patronato antes da Tripartida. Não houve discussão, por exemplo, sobre o ajustamento dos escalões dos impostos à inflação ou sobre outras fontes de receitas fiscais para o Estado.

– O pacote de medidas que o Governo propõe prevê uma ajuda massiva às empresas, a maior das quais é completamente não direcionada e indiferenciada, nomeadamente o adiamento de várias tranches do index, que será assim financiada pelo poder de compra de quase todos os trabalhadores, reformados e suas famílias, o que equivale a amputar esse mesmo poder de compra. Trata-se portanto de uma vasta operação de redistribuição em sentido inverso, de baixo para cima.

– Finalmente, o crédito fiscal que está sobre a mesa está muito longe de ser uma verdadeira compensação pela perda de poder de compra e pelo adiamento do index. Além disso, nota-se que muitos elementos deste pacote de medidas foram feitos à pressa e improvisados às três pancadas.

Neste contexto, a OGBL está pronta a explicar a sua posição de recusa em subscrever o acordo “tripartido”, bem como as suas próprias exigências a todos os membros do comité parlamentar especial.

>> A OGBL informa e explica. A OGBL é a n°1 na defesa dos direitos e dos interesses dos trabalhadores e dos reformados portugueses e lusófonos. Para qualquer questão, contacte o nosso Serviço Informação, Aconselhamento e Assistência (SICA), através do tel. 26 54 37 77 (8h-12h, 13h-17h). Até nova ordem e enquanto vigorarem as restrições relativas à pandemia da covid-19, pedimos aos nossos membros para passarem nas nossas agências apenas quando têm marcação (rendez-vous). Para mais informações: www.ogbl.lu. Para se tornar membro: hello.ogbl.lu.

 

 

 

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade