Dinheiro contrafeito apreendido pela Polícia Judiciária na Operação Deep Money, no edifício-sede da Polícia Judiciária, em Lisboa, 9 de setembro de 2019. FOTO: MÁRIO CRUZ/LUSA

A Polícia Judiciária (PJ) portuguesa desmantelou uma das maiores redes de contrafacção de moeda da Europa, que operava a partir de Portugal, com a apreensão de mais de 1,3 milhões de euros, no âmbito da operação “Deep Money”.

No total foram apreendidas mais de 26 mil notas no espaço europeu e detidas cinco pessoas.

Segundo a edição online do jornal Contacto, também foram apreendidas algumas notas falsas no Grão-Ducado. “Foram apreendidas/registadas cerca de 45 notas falsas no Luxemburgo, todas de 50 euros, no período compreendido entre 2017 e 2019”, refere o artigo do jornal Contacto, que cita fonte do gabinete de imprensa da PJ.

Na operação “Deep Money” foi desmantelada a segunda maior rede de contrafacção de moeda da Europa com comercialização de notas através da ‘darknet’, apreendidas mais de 26 mil notas no espaço europeu e detidas cinco pessoas.

 

 

Em conferência de imprensa, que decorreu nas instalações da PJ em Lisboa, o coordenador Luís Ribeiro, da Unidade Nacional de Combate, explicou que a rede foi formada no início de 2017 e que desde aí produziu milhares de notas de euros falsas “com muito boa qualidade”, tendo a maquinaria apreendida sendo encontrada em casas.

“Apesar da apreensão de milhares de notas contrafeitas, é muito comum que nos próximos meses ainda haja a circular algumas notas que vão sendo apreendidas”, afirmou.

A comercialização das notas fazia-se através da ‘darknet’ e os criminosos conseguiam entre 20 a 25% de lucro, isto é, 100 mil euros eram vendidos por 20 ou 25 mil euros.

 

Dinheiro contrafeito apreendido pela Polícia Judiciária na Operação Deep Money, no edifício-sede da Polícia Judiciária, em Lisboa, 9 de setembro de 2019. FOTO: MÁRIO CRUZ/LUSA

No início de julho e durante várias buscas foram apreendidas em Portugal cerca de cinco mil notas falsas de euro, no valor aproximado de 250 mil euros, e “diversos objectos relacionados com a produção das notas, nomeadamente computadores, impressoras, papel de segurança com incorporação de filamento de segurança, hologramas e bandas holográficas autoadesivas, tintas ultravioleta e tinteiros”.

“As notas eram publicitadas e comercializadas através da ‘darknet’ e recebidas as encomendas por essa via ou através de algumas aplicações móveis e posteriormente o presumível cabecilha remetia essa informação aos elementos do grupo que encontravam em Portugal que por sua vez produziam as notas e enviavam por correio”, explicou o polícia.

Luís Ribeiro destacou a qualidade das notas, sendo consideradas “unanimemente pelos vários compradores que frequentam a ´darknet´ como as melhores”.

As notas contrafeitas foram apreendidas em praticamente todo o espaço europeu, com maior incidência em França, Alemanha, Espanha e Portugal e globalmente desde janeiro de 2017 foram apreendidas notas com valor superior de 1,3 milhões de euros.

Dinheiro contrafeito apreendido pela Polícia Judiciária na Operação Deep Money, no edifício-sede da Polícia Judiciária, em Lisboa, 9 de setembro de 2019. FOTO: MÁRIO CRUZ/LUSA

Entre as cinco pessoas detidas e já com medidas privativas da liberdade, estão cidadãos portugueses e franceses.

Um dos detidos é português, tem 35 anos, e é considerado pela PJ como o cabecilha da rede que foi detido a 23 de agosto na Colômbia e posteriormente entregue à PJ em Portugal. O homem tem registo criminal por vários crimes, nomeadamente tráfico de droga e extorsão sexual.

Publicidade