Pedro Cunha
Pedro Cunha, escritor e cineasta, escreve semanalmente às sextas no LUX24.

Esta curta-metragem de animação com produção francesa, realizada por Max Porter e Ru Kuwahata (ambos se destacaram com a curta-metragem “Something Left, Something Taken”, 2010), narra a história de um pai ausente devido às inúmeras viagens de trabalho e a forma como ele foi capaz de se conectar com o seu filho Sam ensinando-o a fazer uma mala de viagem na perfeição.

A experiência deste pequeno filme, com 5 minutos e 30 segundos, irá despertar de forma singular a consciência sobre a azáfama diária que gera afastamento entre pais e filhos.

Permita-se reviver as mais belas das memórias e episódios marcantes que viveu com aqueles que mais lhe são próximos!

A nostalgia que este filme revisita é aquela a que muitas pessoas se “afeiçoam” devido à distância, eventualmente por familiares imigrados ou tão somente por falta de “vontade” de percorrer alguns quilómetros para estar com os pais, os avós, filhos ou netos…

Negative Space foi adaptado de um poema em prosa com 150 palavras, de Ron Koertge, mas tem igualmente uma conexão de nível pessoal!

O pai da realizadora Ru Kuwahata, piloto de aviação, viajou com frequência e, essa é uma das memórias mais vívidas da sua infância juntamente com a lista de itens (para colocar na mala) que ele tinha pendurada na parede do seu escritório.

A técnica do Stop Motion foi a escolhida para dar vida a esta história comovente e contada de forma tão inesperada.

A utilização de uma câmara fotográfica Canon promoveu o registo de todos os fotogramas da realização (durante 9 meses) desta curta-metragem que revela intimamente os seus personagens (bonecos).

 

 

Este filme não é sobre luto e, a relação pai-filho, acima de tudo narra a interrupção de um vínculo de rotina que levou tempo, esforço e muito espaço para se desenvolver. O zíper abre e fecha memórias, os túneis levam a flashbacks (analepses) e os pequenos conjuntos visíveis retratam que um espaço que pode realmente conectar pessoas não é um dado, precisa ser criado!

Cores e roupas quentes e outonais alternam com espaços desperdiçados em azul, mas a mensagem é a mesma.

Todos precisamos que alguém olhe por cima do nosso ombro, mas quando esse alguém parte, as coisas ficam negativas e sente-se esse espaço a partir daí.

Até ao momento, Negative Space arrecadou 127 galardões (incluindo 63 prémios Grand Prix / Melhor Curta-Metragem de Animação). A carreira do filme foi como uma autentica viagem de foguetão pois esteve em competição em nada mais nada menos que 314 festivais!

Penso que este filme não deixará ninguém indiferente, em particular a última cena que questiona o desperdício de espaço… e quem sabe de tempo com quem mais dizemos gostar de estar…

Bom filme!

Assista ao filme:

Publicidade