O galo Maurice e a sua dona – FOTO XAVIER LEOTY – AFP – Todos os Direitos Reservados

Um tribunal francês autorizou esta quinta-feira o galo Maurice a continuar com os cacarejos, rejeitando a queixa dos vizinhos que acusaram a ave de acordá-los muito cedo — uma sentença vista como uma vitória para as tradições rurais da França.

“Maurice venceu e os queixosos terão que pagar mil euros à proprietária por danos morais”, declarou Julien Papineau, advogado da proprietária Corinne Fesseau ao deixar o tribunal de Rochefort (no sudoeste de França).

“Não tenho palavras. Vencemos. É uma vitória para todas as pessoas na minha mesma situação. Espero que crie jurisprudência”, disse a dona do galo, que foi alvo de manchetes em todo o mundo.

“Vai ser tudo protegido: sinos, sapos, etc.”, acrescentou, referindo-se a outras queixas semelhantes contra os ruídos do mundo rural, que muitas vezes opõem os habitantes de sempre aos ‘neorrurais’.

Maurice tornou-se num símbolo da resistência rural em França, onde uma petição para “salvá-lo” recebeu mais de 140.000 assinaturas.

O seu cacarejo ao amanhecer incomoda os proprietários de uma residência de veraneio na ilha turística de Oleron, no sudoeste de França, que o denunciaram à justiça por “dano sonoro”.

Não é um julgamento “da cidade contra o campo. É um problema de dano sonoro. O galo, o cão, a buzina, a música… é um caso de barulho”, sustentou o advogado Vincent Huberdeau, que representa os autores da denúncia, em audiência a 4 de julho.

O caso de Maurice, embora anedótico, ilustra temores de que o mundo rural desapareça na França, devido ao declínio da atividade agrícola e pecuária e ao êxodo de jovens para a cidade.

LUX24 c/ Agências

Publicidade