Péckvillercher – FOTO: Paulo Dâmaso / LUX24

 

Na próxima segunda-feira (dia 22 de abril), o centro histórico da cidade do Luxemburgo e a localidade de Nospelt vão receber o tradicional mercado Éimaischen (Festa de Emaús) e os peculiares Péckvillercher (apitos de barro ou cerâmica em forma de pássaro).

A tradição, que remonta a 1827 e só foi interrompida alguns anos durante a I Guerra Mundial, cumpre-se, como habitualmente, na segunda-feira de Páscoa, feriado no Luxemburgo.

O tradicional mercado vai colorir as imediações do Palácio Grão-Ducal, a Place du Marché-aux-Poissons e as ruas adjacentes, atraindo milhares de pessoas. Desde 1957 que a iniciativa estendeu-se, igualmente, a Nospelt.

 

Péckvillercher – FOTO: Paulo Dâmaso / LUX24

 

O ‘Éimaischen’ recorda etimologicamente a marcha dos discípulos de Jesus Cristo para Emaús, a aldeia palestina perto de Jerusalém, onde Cristo apareceu a dois deles antes da ressurreição.

No Luxemburgo, a origem do Éimaischen como mercado oleiro remonta ao século XIX. Durante muito tempo, a segunda-feira de Páscoa coincidiu com a guilda dos oleiros. Hoje junta todo o tipo de artesão.

Antes, no domingo, dia 21, e cumprindo a tradição do Bretzel, as mulheres devem oferecer um ovo de chocolate aos homens que as presentearam com o doce tradicional, no chamado Domingo do Bretzel. Se a mulher fizer a oferenda significa que o amor é correspondido.