Cremilda Gil – Foto DR/ Todos os Direitos Reservados

 

A atriz portuguesa Cremilda Gil morreu esta quinta-feira (07), aos 91 anos de idade, em Évora.

Com uma longa carreira dedicada ao teatro, televisão e cinema, Cremilda Gil estreou-se no Teatro Nacional D. Maria II.

“Retalhos da vida de um médico”, “Sabadabadu”, “Vila Faia”, “Origens”, “A relíquia”, “A morgadinha dos canaviais”, “O Mandarim”, “Cinzas”, “As Aventuras do Camilo”, “A Lenda da Garça” e “Inspetor Max” são alguns dos trabalhos em que participou em televisão. “Entre as mulheres”, um telefilme de 2012, foi o seu último trabalho em televisão.

 

 

No teatro participou em peças como “Madame Sans-Gêne” no D. Maria II, “Sinhá Eufémia” e “António Marinheiro”, no Teatro Villaret, “Pimpinela”, no Monumental, em Lisboa, em mais recentemente, no Teatro da Terra em “A casa de Bernarda Alba” e “A maluquinha de Arroios”.

No cinema foi dirigida por António Macedo, em “Domingo à tarde”, por João Botelho em “Um adeus português” e “Aqui na Terra” e por Manoel de Oliveira em “A divina comédia”.

Em “Cruz de Ferro” (1967), um dos últimos trabalhos do realizador Jorge Brum do Canto, contracenou com Octávio Matos, ator que morreu no domingo passado.