O grupo Crédito Agrícola tinha 659 agências em junho deste ano, menos dez do que as 669 agências do final de 2017, segundo dados divulgados à Lusa.

Segundo Licínio Pina, presidente do grupo, o Crédito Agrícola tem vindo a fundir caixas devido às “novas exigências regulamentares, mas também para reduzir os custos e melhorar a eficiência”.

O Crédito Agrícola, que tem mais de 4 mil trabalhadores, teve lucros consolidados de 64,2 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, mais 37% do que em igual período do ano passado.

A instituição de crédito tem operação apenas em Portugal, contando com escritórios de representação em França (Paris), Suíça (Genebra) e Luxemburgo.